1 de set de 2010

Será?

Sabe, cheguei a conclusão de que um namoro não pode ir pra frente a partir do ponto em que tu não sabe responder quando te perguntam “Tu realmente me ama?”. Eu não soube responder pela última vez, e minha resposta foi um singelo não sei. Sem necessidade de comentários, já que eles são óbvios. Simplesmente, um não sei não é suficiente. E de um não sei, vieram milhares de dúvidas, que por dias longos a fio me fizeram questionar sobre um relacionamento. Não me especifico sobre o meu relacionamento, muito menos o de alguém. Mas eu realmente não consigo entender as características humanas, a vontade de fazer alguém sofrer. Digo isso por mim. Nunca tive vontade de fazer ninguém sofrer, e quem me conhece pode muito bem dizer que não faço mal a uma formiga. Mas eu tenho a incrível capacidade de fazer amigos e parceiros sofrerem, com essa minha personalidade forte e desgastante.

Minha mãe que diz que minha personalidade e meu caráter, fortes e incessantemente irritantes, um dia vão me fazer bem na vida, não me deixarão cair, nem ser pisado por alguém. Mas cada vez que ela diz isso, eu fico mais certo de que sou uma das pessoas mais frágeis e falsas que conheço. Cadê meu caráter quando preciso dele? Eu fujo como uma gazela do perigo, eu corro pro meu quarto e choro.

Mas dispensando meus sentimentos e minha fragilidade normal de qualquer adolescente com dúvidas e que ainda não está pronto pra sociedade maldosa de hoje em dia, ultimamente venho ouvindo tanto, mas tanto Legião Urbana, que quase me dá vontade de morrer pra conhecer meu querido Renato. Fico impressionado com cada música, cada letra. Meu grande ídolo. Ele me faz pensar se realmente vale a pena tudo que o ser humano faz consigo mesmo. Ele não pensou na família e na carreira dele antes contrair AIDS? Quantas pessoas fazem sexo desprotegido hoje em dia ainda? Sinceramente, as pessoas adoecem, garotas engravidam, porque querem. E isso me preocupa, a fraqueza dos jovens de hoje em dia. Uma vida toda pela frente, sendo desperdiçada nisso. Será que eles não querem viver uma vida boa?

Será que uma vida boa resume-se no que eu vejo? Não. Essa pergunta já tem resposta. Mas eu acho que realmente, não é com drogas, AIDS e com todos esses problemas causados de propósito, que se vai pra frente. Eu quero guiar minha vida calmamente. Penso em estudar, começar a trabalhar, me mudar e criar minha vida. Com o tempo, sem correrias, achar minha alma gêmea, casar, morar juntos, ter filhos. Depois de certa idade, ir para algum país Europeu, com certa preferência indicando a Dinamarca, e viver a vida calmamente, observando as lindas paisagens e meus netos correndo, com saúde e muito felizes. Se eu posso ter essa vida toda, pra que estragá-la?





E no fim dessa postagem, vou mandar um beijo especial pra Paola , que me encorajou de colocar esse texto aqui *-* ah, sigam ela no twitter @nhaac_ porque ela só fala coisas bonitas :*